Introdução

Para além do VIH que está na origem da SIDA, existem outros agentes patogénicos que podem ser transmitidos durante a relação sexual (vírus, bactérias, parasitas unicelulares, fungos). Algumas destas infecções, por exemplo a hepatite B, a gonorreia ou o herpes, são mais frequentes que uma infecção pelo VIH e também podem ter consequências graves.

As infecções sexualmente transmissíveis (IST) quando não detectadas e tratadas podem ter consequências graves: desde prurido (comichão) e corrimentos, passando por lesões no fígado e esterilidade e ainda algumas formas de cancro.

As IST são ainda “portas” para outras infecções. Nas pequenas feridas que estas provocam nos órgãos sexuais, na boca ou no ânus, encontram-se células especiais que são bem mais sensíveis aos agentes patogénicos que a pele sã da mucosa. Assim, as IST aumentam o risco de uma infecção pelo VIH.

Apesar da prática de sexo seguro, podem surgir algumas IST. Não se deve sentir envergonhado por estar infectado, o importante é saber que o está, pois a maioria das doenças em cima mencionadas tratam-se ou curam-se quando são detectadas.

Sintomas diferentes, tanto nos homens como nas mulheres, podem significar que contraiu uma IST, mas não necessariamente. É por esta razão que é necessário que consulte um médico.

Se o médico diagnosticar uma IST, é importante que informe o seu ou a sua parceiro/a. É a única forma de permitir que também ele/a se trate. Caso os dois parceiros não sejam tratados simultaneamente, arriscam-se a reinfectarem-se mutuamente quanto tiverem relações sexuais.

Quando nos é detectada uma IST, é importante utilizar o preservativo durante as relações sexuais e até ao fim do tratamento.

Deverá também informar os parceiros ocasionais para evitar a propagação da infecção.


Protecção Contra as IST (Infecções Sexualmente Transmissíveis)

hiv-sida

O sexo seguro oferece protecção eficaz contra a infecção pelo VIH e faz também baixar bastante o risco de contaminação por outras IST.

Nenhum dos agentes patogénicos de que falaremos pode atravessar um preservativo, mas este não fecha todas as portas através das quais uma IST se pode transmitir. A maioria das IST transmitem-se de uma forma mais fácil que o VIH. Podem transmitir-se durante o sexo oral desprotegido, mesmo durante o período da menstruação ou sem ejaculação.

Somente o preservativo e a banda de látex (quadrado de látex que se coloca em cima da vagina) oferecem protecção eficaz contra outras IST, para além do VIH.

Para as pessoas que têm vários parceiros sexuais recomenda-se que se vacinem contra a hepatite B e eventualmente contra a hepatite A.


Os Sintomas de IST nos homens

  • Corrimentos pela uretra (canal onde passa a urina e o esperma) em quantidade e cores variadas
  • Ardor quando urina
  • Dores e inchaço nos testículos
  • Abcessos, aftas, vermelhidão e prurido no pénis ou nos testículos
  • Vermelhidão no palate (céu da boca) ou na faringe (garganta)
  • Dor difusa no intestino
  • Inchaço ou úlceras no ânus

Os Sintomas de IST nas mulheres

  • Corrimentos com mau odor a nível da vagina
  • Prurido, ulcerações, abcessos, inflamação da vulva ou no interior da vagina
  • Dores e ardor quando urina
  • Dores e ardor durante as relações sexuais
  • Vermelhidão no palato e na faringe
  • Hemorragias fora do período da menstruação
  • Inflamações na zona genital
  • Dor de barriga
  • Menstruação irregular
  • Dor difusa no cólon
  • Inflamações, ulceração no anus.

As principais infeccções sexualmente transmissíveis (para além do VIH):

Hepatite B

Infecção viral que conduz frequentemente a uma inflamação do fígado. As consequências mais graves podem ser: cirrose do fígado (cicatrização do fígado), cancro no fígado e morte. Esta infecção raramente é detectada no seu início (não tem sintomas). Existe uma vacina contra a Hepatite B (VHB) e também uma terapia contra a infecção com hipótese de sucesso reduzidas.

Herpes

Infecção viral que pode conduzir a crises repetidas de aftas/ulcerações que causam prurido ou ardor sobretudo ao nível dos órgãos sexuais e dos lábios. Consequências mais grave: transmissão do vírus ao recém-nascido no momento da nascença. Não existe cura, mas os sintomas diminuem, bem como o grau de gravidade e a duração das fases agudas.

Gonorreia

Infecção bacteriana que pode conduzir a inflamações da uretra com corrimentos dolorosos. Consequência mais grave: inflamação mortal da cavidade abdominal (nas mulheres), esterilidade (homens e mulheres) e cegueira (recém-nascido). Por vezes não é detectada durante muito tempo, sobretudo nas mulheres (ausência de sintomas). É curável.

Clamídia

Infecção bacteriana que pode levar aos mesmos sintomas que a gonorreia. Consequências mais graves: esterilidade. Possui sintomas muito subtis que por vezes desaparecem espontaneamente, sem que a infecção seja curada (continuando a ser transmissível e podendo ter efeitos a longo prazo).É curável.

Sífilis.

Infecção bacteriana que leva à formação de um abcesso, que depois desaparece, e a erupções no tronco e pés. Consequências mais graves: deterioração da aorta e do sistema nervoso podendo causar morte. As inflamações e abcessos iniciais podem não ser dolorosos e diminuir espontaneamente, sem que a infecção seja tratada (continuando a ser transmissível e podendo ter efeitos a longo prazo). Se for detectada numa fase inicial, a sífilis é curável.

Micoses.

Têm como sintomas prurido e dores. São curáveis.

Tricomonas.

Infecção que tem como sintomas prurido, ardor quando se urina e corrimentos de odor desagradável. Muitas vezes não detectada. É curável.

Condiloma nos órgãos sexuais e no ânus.

Verrugas causadas por vírus (vírus do papiloma humano) que surgem sobretudo nos órgãos sexuais e no ânus. Consequência mais grave: cancro do útero. Normalmente só é detectado nas mulheres durante o exame ginecológico. Pode ser tratado.

Consulte também o documento que disponibilizamos em “Guia de Doenças Sexualmente Transmissíveis (formato PDF)“.