O teste ao VIH (“teste à SIDA”) só detecta uma infecção pelo VIH com certeza no fim dos três meses que se seguem ao comportamento de risco. É o tempo necessário para que o organismo possa fabricar anticorpos contra o vírus caso tenha havido infecção. Depois dos três meses o resultado é fiável: um resultado “negativo” significa que o teste não detectou os anticorpos, ou seja, não existe infecção. Um resultado “positivo” significa que o teste detectou anticorpos e que houve uma infecção pelo VIH.

Se fizer o teste antes do final dos três meses (que se recomenda que aguarde), pode acontecer que seja ainda muito cedo para ter resultados fiáveis: um resultado (ainda) negativo, pode na realidade tornar-se positivo se repetido depois do período de três meses.

Já existem testes combinados modernos que detectam a presença de anticorpos e componentes do virus (antigénio p24) no sangue e, tendo em conta que os componentes do vírus aparecem relativamente rápido no sangue logo após a infecção, este tipo de teste, permite revelar uma eventual infecção após algumas semanas. Contudo este teste ainda não é utilizado em todos os serviços de despistagem, por essa razão recomenda-se que se espere os três meses habituais.

Se este primeiro teste for “negativo”, o resultado pode ainda não ser fiável: há possibilidades de não ter havido infecção. Mas existe ainda a possibilidade de ter havido infecção e o teste ainda não a ter detectado, seja porque o organismo ainda não contem componentes do vírus (antigénio p24) suficientes, seja porque ainda não desenvolveu anticorpos suficientes. Independentemente das razões, depois de um primeiro teste negativo, é necessário fazer um segundo teste três meses depois da situação de risco. Só este segundo teste estabelece com fiabilidade suficiente se houve ou não infecção.

Se este primeiro teste for “positivo” ou “inconclusivo”, efectua-se uma nova análise para excluir com certeza qualquer tipo de erro de diagnóstico. Se o teste de confirmação for positivo, isso significa que houve uma infecção pelo VIH.

Obtenha informações sobre os diferentes aspectos do teste antes de se decidir sobre se o vai fazer ou não (riscos de transmissão, apoios, etc). Em caso de dúvida ou se tiver questões, uma sessão de aconselhamento na Associação Positivo pode ajudá-lo. O mesmo se passa depois do teste, se necessitar de aconselhamento, fá-lo-emos através de uma sessão ou até mesmo telefonicamente. A Associação Positivo não faz testes ao VIH, mas pode indicar-lhe onde fazer e oferecer-lhe seguimento e apoio psicológico durante este período ou mesmo após, caso o teste seja positivo.

Em princípio, todos os centros de despistagem devem fornecer-lhe aconselhamento antes e depois do teste ao VIH. Insista para que o façam.

Os Centros de Aconselhamento e Detecção Precoce do VIH (CAD) são centros de diagnóstico que permitem o acesso voluntário, confidencial e gratuito ao teste do VIH, possibilitando a detecção precoce da infecção VIH.

Se tem dúvidas sobre a possibilidade de estar infectado, dirija-se a um CAD.

Poderá encontrar a localização e o horário de funcionamento do CAD da sua região nesta página.

O único local onde poderá fazer um teste totalmente anónimo é num Centro de Aconselhamento e Detecção Precoce do VIH (CAD) da Rede Nacional (veja: Onde posso fazer o teste), contudo apesar de no seu médico de família o teste ser nominal (identificado), este está sujeito ao sigilo médico, pelo que esta informação deverá ser tratada com confidencialidade.

O único sítio onde o teste ao VIH anónimo a menores é possível é nos Centros de Aconselhamento e Detecção Precoce do VIH (CAD), contudo nem todos o fazem. Na realidade estes centros não têm autoridade para pedir identificação e se, durante o aconselhamento, se verificar que o teste é pertinente, muito provavelmente não se recusarão a fazê-lo.

Não, pois um teste de despistagem ao VIH só pode ser feito com o seu consentimento. Consequentemente ninguém o pode obrigar a fazer um teste ao VIH. Assim sendo, isto significa que quando for submetido a exames médicos ou intervenções médicas, ninguém lhe fará um teste sem pedir o seu consentimento.

O resultado de um teste ao VIH em laboratório demora cerca de uma semana a ser disponibilizado, dependendo do laboratório.

Nos Centros de Aconselhamento e Detecção Precoce do VIH (CAD) é utilizado um teste rápido. Este teste é feito no momento e o resultado fica disponível em cerca de 30 a 60 minutos. Mas como no teste no laboratório, o teste rápido só é fiável se for feito três meses após o comportamento de risco.

Um teste ao VIH feito num laboratório particular sem credencial médica pode custar cerca de 50€ (dependendo do laboratório), contudo com credencial médica basta pagar a taxa moderadora que variará entre os 3,00€ e 5,00€.

Se efectuar o teste num Centro de Aconselhamento e Detecção Precoce do VIH (CAD) o teste é completamente gratuito.

Os testes de detecção do VIH que existem neste momento são extremamente sensíveis, ou seja, se efectuar um teste ao VIH três meses depois do comportamento de risco e obtiver um resultado negativo, este é suficientemente fiável. Não está infectado.

No caso de um eventual resultado positivo, este é verificado através de um teste de confirmação. Este teste de confirmação utiliza um método diferente de despistagem e é igualmente preciso. Geralmente, ainda se procede a um terceiro teste com a finalidade de determinar a carga viral. Depois de um teste de confirmação positivo, exclui-se a possibilidade de ter havido um engano.

Os testes ao VIH feitos em casa (“home tests”) não são autorizados em Portugal, nem noutros países da Europa, bem como nos EUA. Este facto deve-se à sua pouca fiabilidade e complexidade de uso. Por esta razão não ceda às ofertas provenientes do estrangeiro ou da Internet: tratam-se na maioria de produtos duvidosos que não cumprem as normas de qualidade no plano médico.