O que quero esclarecer na consulta com o meu médico?

A estratégia que desenvolvi aos poucos foi: tenho de me observar. Vou ao médico com apontamentos. Senão vou esquecer-me de metade das questões e venho para casa com dúvidas. O meu namorado pergunta então: «Perguntaste isto, perguntaste aquilo?» Não quero que isso torne a acontecer.
Miguel, 40 anos, em tratamento médico devido ao VIH desde 2001

De início escrevia sempre as questões que me vinham à mente. Obtive informações na internet. Informei-me sobre coisas que já devia ter sabido antes. Agora vou com regularidade ao médico. Posso então fazer directamente as minhas perguntas.Sabia muito pouco a este respeito. E tinha de começar de imediato o tratamento.
André, 26 anos, em tratamento médico devido ao VIH desde 2001

Não tenha vergonha de perguntar tudo que deseja saber. Tem o direito de saber

• o que é uma infecção pelo VIH,
• que análises foram sugeridas e por quê,
• quais são os seus valores e o que significam,
• por que razão lhe é aconselhado um tratamento neste momento,
• que alternativas existem ao tratamento,
• como actuam os medicamentos contra o VIH,
• que efeitos colaterais podem surgir,
• por que razão deve tomar que medicamentos, e com que frequência,
etc.

Mas nem só as questões relativas à medicina são apropriadas. Fale de tudo que o preocupa: questões relativas à sexualidade, à protecção contra o contágio, à qualidade de vida, etc. – ou o que observa em si mesmo. Não tenha vergonha de expressar as suas preocupações e medos. Possivelmente ser-lhe-á útil anotar as respostas e informações.

Tinha de ganhar coragem e dizer aquilo que pretendia. Que não estou contente. Agora tomo outros medicamentos e os valores estão bem.
Miguel, teste VIH início do tratamento em 2001

Considere o seu médico como uma pessoa que o pode aconselhar e informar do ponto de vista médico. Tente, em conjunto com ele e de acordo com as suas necessidades, obter o melhor para si.

Após o aconselhamento, decidirá o que pretende ou não. Mesmo que o médico o aconselhe, por exemplo, a iniciar urgentemente o tratamento, deve ser você a decidir se pretende aceitar ou não este conselho. No fim de contas, é você quem terá de tomar os medicamentos, quem terá de viver com o tratamento… E é a sua vida que está em causa se quiser esperar mais tempo.

Estabeleça uma colaboração de confiança com o seu médico. Quanto mais pormenorizadamente lhe explicar as suas necessidades e opiniões pessoais, mais depressa poderão tomar decisões em conjunto a favor ou contra um tratamento.

O meu relacionamento com os médicos alterou-se com a infecção pelo VIH. Fui educado a ter respeito. Mas agora penso que são apenas pessoas como eu. Mas tenho dificuldade em aceitar quando não podem dar-me mais informações. Quando chegam aos seus limites…
Ana, teste VIH positivo em 1988, início do tratamento em 1997

Geralmente o tratamento decorre assim: quando vou ao médico, eles tiram sangue. E, de seguida, não espero até à próxima consulta; telefono antes para me informar dos valores. Consoante os valores, fico a saber o que devo perguntar da próxima vez.
Dora, teste VIH positivo em 1986, início do tratamento em 1996